quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Um ótimo Natal e Maravilhoso 2012

Queridos amigos e amigas, desejamos a todos um excelente Natal e um maravilhoso 2012.
Eis nosso cartão de felicitações:
São os desejos de todos nós do Grupo de Pesquisas e Estudos em Geografia da Infância.
Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro. Brasil

I Concurso de Teses sobre o Brasil e a América Latina - FLACSO


A  Associação Latino-americana de Sociologia – ALAS  e a 
Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais – FLACSO, 
Brasil lançam seu primeiro Edital do Concurso bienal de Teses 
de Doutorado sobre o Brasil e a América Latina, com apoio da 
Rede de Programas de Pós-graduação do Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais – CLACSO. 



Período de inscrição:
01 de setembro de 2011 a 15 de fevereiro de 2012.
Maiores informações:
http://www.flacso.org.br/concurso_tesis/

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Chamada de Artigos


UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA 

CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO 
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO 
NÚCLEO DE PUBLICAÇÕES 

Florianópolis, 14 de dezembro de 2011 

Prezados Colegas,
A Revista Perspectiva, de periodicidade quadrimestral, está recebendo artigos de demanda contínua para o ano de 2012. As normas para submissão de artigos podem ser consultadas em http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/about/submissions#authorGuidelines. Outras informações sobre a Perspectiva estão no endereço http://www.periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/about .



segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Guidance document on ethical considerations in research with children and young people

Ethical considerations in research with children and young people occur at all stages of the research process. They should be considered as an ongoing and reflexive part of the research process throughout the life of a research project. A copy of a CSCY ethical document:

Chamada de Artigos

Convocatorias
1) Juego y vida cotidiana

El juego es una de las prácticas culturales más significativas en la infancia, la juventud y la adultez. Consideramos al juego como una puerta de acceso para comprender la cultura, las dinámicas entre sujetos y las relaciones que se tejen en, durante y posteriormente a cada juego disputado. Las temáticas, los roles, las elecciones, las normas, los resultados, todos ellos son elementos constitutivos de los juegos. Ahora bien, pensar al juego como actividad cultural supone comprenderlos imbricados con discursos que rodean a sus jugadores y las condiciones de posibilidad que éstos tienen para llevarlos a cabo. Jugar no es un juego. Hay, también, series de prácticas lúdicas que no son necesariamente consideradas “canónicamente” como juegos pero que los sujetos que las practican sí les adjudican un carácter lúdico. En cualquier caso, este número se abre a trabajos que aborden el juego como parte constitutiva e insustituible de la vida cotidiana. ¿qué significa jugar? ¿qué supone la ausencia de juegos o de percepciones lúdicas? ¿cuál es el lugar que en la contemporaneidad tiene el juego en la relación con pares significativos? ¿qué objetos se utilizan en los juegos? Todas estas preguntas organizan el arco que se incluye en la convocatoria del número 1 de la revista Lúdicamente.

Fecha límite de recepción de artículos: 20 de febrero de 2012.

2) Juego y espacios lúdicos

El juego se desarrolla cotidianamente en diferentes espacios. Las maneras en que los jugadores eligen dónde jugar dan cuenta de una gama de opciones con la que cuentan. Del mismo modo, la restricción de espacios de juego condiciona, claramente, el juego. El número 2 de la revistaLúdicamente abordará los espacios del juego tradicionales como la plaza, la escuela, la casa y la calle y los más novedosos como cybers o ludotecas públicas. La relación entre los juegos desarrollados, los espacios y los roles que en ellos asumen los jugadores operan como organizadores de la práctica. Es por ello que convocamos a la publicación de trabajos que problematicen la relación entre el juego y los espacios a él destinados como manera de aproximarnos a la complejidad de la práctica desde diferentes ángulos de análisis.


Maiores informações:

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

PUBLISHED IN FQS IN NOVEMBER 2011

Dear All,
Today I would like to draw your attention to the following news:

A. Articles, Published in FQS in November 2011
B. From Former Issues
C. Conferences and Workshops
D. Links
E. Open Access News

Enjoy reading!
Katja Mruck
A) ARTICLES, PUBLISHED IN FQS IN NOVEMBER 2011

Nelly Elias, Julia Lerner (Israel): Narrating the Double Helix: The Immigrant-Professional Biography of a Russian Journalist in Israel
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201155

Thomas Hillman (Sweden): A Geography of Connections: Networks of Humans and Materials in Mathematics Classrooms Using Handheld Technology
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201121

Marisa Ponti (Sweden): Uncovering Causality in Narratives of Collaboration: Actor-Network Theory and Event Structure Analysis
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201117

Patricia Mariel Sorribas, Silvina Alejandra Brussino (Argentina): Voices That Shape the Identities of Conflicting Social Actors: A Frame Analysis of Collective Action around Labour Issues in Argentina (2002-2006)
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201252

FQS Reviews

Vanessa Garcia Diaz (Mexico): Review: Barbara Merril & Linden West (2009). Using Biographical Methods in Social Research
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201104

Reinhard Messerschmidt (Germany): Review Essay: A Discourse About Discourses of the Discoursive? Divergences and Possible Convergence of Contemporary Discourse and Governmentality Research from the Perspective of Alethurgic Discourse Analysis
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201195

Rudolf Schmitt (Germany): Review Essay: Reconstructive and Other Approaches to Metaphor Analysis
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs120124

Audra Skukauskaite, Judith L. Green (USA): Review Essay: On Transparency, Epistemologies, and Positioning in Writing Introductory Qualitative Research Texts
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201233

<--- All readers are warmly invited to comment the article and join a future dialogue on this topic. Registration and login are required to comment articles online (http://www.qualitative-research.net/index.php/fqs/login). --->

Jenny Weggen (Germany): Review Essay: Dialogic Introspection: Extending the Range of Empirical Research Methods through the Rediscovery of the Method of Introspection
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201244

FQS Conferences

Alexa Maria Kunz, Tilo Grenz, Paul Eisewicht (Germany): Conference Essay: The Art of Conducting Research
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201133

Claudia Scheid (Switzerland), Johannes Twardella (Germany): Conference Report: Objective Hermeneutics in Educational and Teaching Research
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs1201271


B. FROM FORMER ISSUES

Now available in English too:

Franz Breuer: Predecessor-Successor Transitions in Institutional and Interpersonal Contexts. On the Development of a Theory of the Transfer of Personal Objects
http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs110216


C) CONFERENCES AND WORKSHOPS

18-19 January 2012, Milan, Italy
Qualitative Online 360: 2nd International Conference
http://www.merlien.org/qual360

11-14 March 2012, Achva Academic College of Education, Israel
XIII Workshop of Qualitative Research in Psychology (2012) "Building Bridges", organized by the Center for Qualitative Psychology
http://www.qualitativepsychology.com/index.php?/info/info/

16-19 May 2012, University of Illinois, Urbana-Champaign, USA
Eighth International Congress of Qualitative Inquiry
http://icqi.org/program.html

1-2 June 2012, Victoria, British Columbia, Canada
Conference "Public Ethnography: Connecting New Genres, New Media, New Audiences"
http://www.publicethnography.net/news/public-ethnography-conference

28-30 June 2012, Università Cattolica del Sacro Cuore, Milan, Italy
Second Global Congress for Qualitative Health Research
http://convegni.unicatt.it/meetings_2231.html

9-13 July 2012, The University of Sydney, Sydney Australia
8th International Conference on Social Science Methodology
http://conference.acspri.org.au/index.php/rc33/2012/index

24-26 September 2012, UAM Iztapalapa, Mexico
Third International Symposium in Textual and Visual Analysis Assisted by Computer (SIAVTAC)
http://csh.izt.uam.mx/eventos/SIAVTAC/


D) LINKS

DCGD-Program "Doctorate in Cultural and Global Criminology"
http://www.dcgc.eu/

Svend Brinkmann: Qualitative Research between McDonaldization and Craftsmanship
http://iiqm.blogspot.com/2011/11/qualitative-research-between.html

Dear Habermas: A Public-Sphere Teaching Site
http://www.habermas.org/

Open Letter to the European Commission on Socio-economic Sciences and Humanities Research
http://www.eash.eu/openletter2011/


E) OPEN ACCESS NEWS

Open Access Success Stories
http://www.oastories.org/, see http://www.oastories.org/2011/09/germany-journaleventnetwork-forum-qualitative-social-research/ for FQS

Confederation of Open Access Repositories (COAR), Launch of the New Website
http://www.coar-repositories.org

IFLA Open Access Taskforce Established
http://www.ifla.org/en/news/ifla-open-access-taskforce-established

Call to Action: 2011 White House RFI on Public Access
http://www.taxpayeraccess.org/action/action_access/11-1117.shtml

Netherlands Academy of Arts and Sciences adopts Green ID/OA Mandate
http://roarmap.eprints.org/538/

SHERPA/RoMEO Publishers by Country: New "Country" Field in the Database of Publishers' Copyright and Self-archiving Policies
http://www.sherpa.ac.uk/romeo/statistics#countries

---> Texts

Open Humanities Press Publishes Twenty-one Open Access Living Books About Life
http://www.livingbooksaboutlife.org/

Charles W. Bailey, Jr.: Bibliographies about Open Access from Digital Scholarship
http://bit.ly/nIVjLN

Thomas Baker et al.: Library Linked Data Incubator Group Final Report
http://www.w3.org/2005/Incubator/lld/XGR-lld-20111025/

Sunanda Creagh: Princeton Goes Open Access to Stop Staff Handing All Copyright to Journals -- Unless Waiver Granted. The Conversation
http://tinyurl.com/3s94z63

Jenny Fry, Steve Probets, Claire Creaser, Helen Greenwood, Valérie Spezi, Sonya White: PEER Behavioural Research: Authors and Users vis-à-vis Journals and Repositories. Final Report
http://www.peerproject.eu/fileadmin/media/reports/PEER_D4_final_report_29SEPT11.pdf

Susan Reilly, Wouter Schallier, Sabine Schrimpf, Eefke Smit, Max Wilkinson: Report on Integration of Data and Publications
http://tinyurl.com/capb8b3

Maurits van der Graaf, Leo Waaijers: A Surfboard for Riding the Wave. Towards a Four Country Action Programme on Research Data: Report
http://www.knowledge-exchange.info/Default.aspx?ID=469

---> Conferences/Workshops

5-6 December, Library of Congress, Washington D.C., USA
Thirteenth International Conference on Grey Literature "From Social Networking to Wealth Creation"
http://www.textrelease.com/gl13program.html

24-25 January 2012, Berlin Brandenburg Academy of Sciences, Berlin, Germany
APE 2012 - Academic Publishing in Europe 7: "Semantic Web, Data & Publishing"
http://www.ape2012.eu

14-15 June 2012, Guimarães, Portugal
16th International Conference on Electronic Publishing "Social Shaping of Digital Publishing:
Exploring the Interplay between Culture and Technology"
http://www.elpub.net/Elpub_2012/Main_Page.html

Past Conferences:

Open Access Africa 2011: Speaker Presentations, Images and Poster Abstracts Available Online
http://www.biomedcentral.com/developingcountries/events/openaccessafrica

---> Journals/Newsletters

Directory of Open Access Journals
http://www.doaj.org/

The Belogradchik Journal for Local History, Cultural History and Folk Studies
http://groups.yahoo.com/group/belogradchik

First Monday, 16(11)
http://firstmonday.org/issue/current

International Review of Research in Open and Distance Learning (IRRODL), 12(7)
http://tinyurl.com/d8v24pt

Mother Pelican: A Journal of Sustainable Human Development, 7(10)
http://www.pelicanweb.org/solisustv07n10page1.html

ScieCom info. Nordic-Baltic Forum for Scientific Communication, 7(3)
http://www.sciecom.org/ojs/index.php/sciecominfo/article/view/5275/4647

The Qualitative Report, 16(6)
http://www.nova.edu/ssss/QR/QR16-6/index.html

---

FQS - Forum Qualitative Sozialforschung
/ Forum: Qualitative Social Research (ISSN 1438-5627)

http://www.qualitative-research.net/
English / German / Spanish

domingo, 27 de novembro de 2011

Revista Educação e Pesquisa - USP

CHAMADA DE ARTIGOS 2013 – EMENTA
Desigualdade, diferença e políticas públicas para a educação

O debate sobre desigualdade e diferença vem ganhando força nas últimas décadas, tendo
repercussão na definição e na implantação de algumas políticas públicas educacionais.
Entendemos que essas questões marcantes nas sociedades contemporâneas dizem respeito às
lutas pelo direito à diversidade e pela ampliação da cidadania.
No âmbito da educação brasileira, assistimos a um significativo incremento de leis,
planos e programas voltados ao enfrentamento das desigualdades, sejam de raça/etnia,
gênero/sexualidade e/ou deficiência. Por exemplo, nas deliberações da VI Conferência Nacional
de Educação (CONAE/2010), foram inseridas demandas sobre o direito à diferença na pauta das
políticas educacionais do Brasil. Na proposição das metas para elaboração do Plano Nacional de
Educação (PNE), o eixo que teve como título “Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão,
Diversidade e Igualdade” abordou diversas sugestões de políticas sobre temas muito variados,
tendo em vista a realidade sociocultural do país. O projeto de lei do Plano Nacional de Educação
para o decênio 2011-2020, encaminhado ao Congresso Nacional em dezembro de 2010, também
apresenta entre suas diretrizes a “difusão dos princípios da equidade, do respeito à diversidade e
a gestão democrática da educação”.
Contudo, tanto na elaboração e implantação das políticas públicas propostas quanto na
análise acadêmica sobre elas, observa-se que termos como desigualdade, diversidade e diferença
assumem significados variados. Ora aparecem como equivalentes, ora como elementos
dicotômicos, sem que os conceitos sejam estabelecidos com precisão. Observam-se também
inversões e equívocos, especialmente em políticas voltadas para a avaliação na educação, as
quais exigem igualdade de mérito e de desempenhos quando as condições dos sujeitos avaliados
são desiguais. Cabe, portanto, analisar se essas políticas operam no sentido de dificultar e/ou
promover a democratização da educação básica e, consequentemente, o acesso e a permanência
de crianças, jovens e adolescentes, homens e mulheres, negros e brancos nas escolas.
A Universidade tem desempenhado um papel importante nesse processo em virtude das
várias dimensões e tensões nele implicadas do ponto de vista conceitual e das soluções
propostas. O espaço universitário tem sido palco desse debate também, produzindo e
manifestando concepções conflitantes.
Consideramos, portanto, oportuna a edição de uma seção da revista Educação e Pesquisa
sobre essa temática, com o propósito de dar a conhecer o que vem sendo produzido no âmbito
acadêmico e de refletir sobre esse debate por meio de:
1) análises sobre a elaboração e a implementação de políticas voltadas para as dimensões de
raça/etnia, gênero, diversidade sexual e deficiência na educação atual;
2) artigos derivados de pesquisas cujo objetivo fundamental seja a avaliação crítica de
experiências de implantação de tais políticas nas redes e escolas públicas;
3) ensaios de natureza reflexiva sobre as contradições que marcam o debate contemporâneo
sobre aas questões da diferença e da desigualdade, que possam contribuir para uma
análise crítica das políticas públicas na educação,sejam no Brasil, seja em outros países;
4) balanços e/ou estudos críticos a respeito da produção acadêmica relacionada ao(s)
tema(s).

Av.da Universidade, 308 sala 27 Bloco B - 05508-040, São Paulo/SP, Tel /Fax: (11)3091.3520, E-mail: revedu@edu.usp.br

sábado, 26 de novembro de 2011

Revista Eletrônica de Educação REVISTA BILÍNGUE DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS ISSN 1982-7199

Caros colegas
A Revista Eletrônica de Educação - Reveduc - acaba de publicar seu último número em http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/issue/current
Convidamos a navegar no sumário atual da revista para acessar os artigos e itens publicados.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

II Seminário Infância

Entre os dias 07 e 09 de novembro ocorreu o II Seminário Infância na interface com pesquisa e extensão e o III Encontro do GRUPEGI/GPPIN na cidade de Cuiabá. O evento foi uma promoção do Grupo de Pesquisa em Psicologia da Infância (GPPIN) coordenado pela professora Daniela Freire. As atividades ocorreram paralelas ao Seminário de Educação 2011 (SEMIEDU 2011) organizado pelo Programa de Pós-Graduação em Educação do Instituto de Educação da UFMT.  O seminário faz parte do convênio firmado entre o GRUPEGI e o GPPIN no âmbito do PROCAD Novas Fonteiras, financiado pela CAPES.

domingo, 20 de novembro de 2011

EVENTO SOBRE A MEDICALIZAÇÃO DA VIDA

Olá Pessoal!!!
Segue folder de divulgação sobre o Fórum acerca de medicalização da infância que acontecerá na UERJ na próxima quarta-feira.
O tema é de grande importância para educação infantil, à medida que normatizações e normalizações neste sentido têm acontecido com frequência ímpar. Assim, àqueles que não puderem comparecer por favor divulguem para suas listas de contatos.
Abraços
por Lígia Aquino


sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Manifesto indignado do FPEI: Avaliar para que? E para quem?


O velho mundo morre enquanto o novo tarda a aparecer. 
No claro-escuro perfilam os monstros 
(Antonio Gramsci).


O Fórum Paulista de Educação Infantil traz seu manifesto indignado, contra as ondas de controle, ou melhor, a este verdadeiro tsunami que invade os territórios da educação das crianças pequenas, a avaliação em larga escala do desempenho das crianças de 0 até 6 anos de idade, por meio de testes, questionários, provas e quaisquer outros instrumentos, que não respeitem as crianças como produtoras de culturas infantis.

Ao lado dos bebês e das crianças, defendendo-as em seus direitos como produtoras de culturas, há diversos documentos, pesquisas e leis que abrangem as especificidades das infâncias. Desta forma, não podemos admitir que tais procedimentos avaliativos se instalem, ignorando e desconsiderando todo processo de concepção sobre Educação Infantil e avaliação presentes na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei n. 9394/96), nas Diretrizes Curriculares Nacionais de Educação Infantil (Resolução CNE/CEB nº 05 de dezembro de 2009) e nos Indicadores da Qualidade na Educação Infantil (2009).

Há, portanto, que considerar – ouvindo - os professores e professoras, pesquisadores e pesquisadoras, enfim os tantos profissionais da educação que, ao longo dos anos, têm aprendido com as crianças e não só sobre elas... aprendido com as crianças reais, em ambientes coletivos de educação. Esses ambientes sim, merecedores da avaliação detalhada de seus contextos organizativos de tempo, espaços, interações, formação docente, propostas pedagógicas, formas de registro do tempo, do espaço , enfim, das “condições dadas” para a produção das culturas infantis e formas de registro da experiência vivida, aprendida, transgredida, desaprendida, inventada, recriada, etc. Sempre uma avaliação da instituição e do projeto pedagógico, além da avaliação das políticas públicas (gestão, recursos financeiros, pedagógicos, etc.); jamais avaliação individual das crianças, que tem sido historicamente produtora de estigmas e de pressão contra as crianças e não de condições favoráveis à formação humana em suas múltiplas dimensões.

De outro lado, nossos estudos, pesquisas e trabalho pedagógico com as crianças pequenas nos mostram que a infância é uma construção histórica e social, o que torna impossível imaginar a proposição de um instrumento que quantifica, para avaliar as descobertas, as invenções, enfim as experiências das crianças.

Sendo assim, como não nos indignarmos diante da possibilidade de uma proposta de avaliação nacional que desconsidera a existência das diferentes infâncias e crianças e, em especial, o lugar de cada uma delas na estrutura da sociedade brasileira segundo a classe social, pertencimento racial e étnico, gênero e cultura, entre outras diferenças?

As meninas e meninos nos mostram e nos revelam que as diferentes e múltiplas dimensões humanas não são passíveis de serem retratadas ou aferidas, com dignidade, por testes ou avaliações pré-formulados, a partir de uma visão de um modelo de criança que verdadeiramente e felizmente, não existe.

Assim não é possível compactuar com a disseminação de mecanismos de avaliação que se circunscrevem à classificação das crianças, tendo por base categorias definidas a priori, que revelam um padrão esperado e idealizado do que as crianças devem ser em cada faixa etária. O objetivo fundante de tais instrumentos, que menosprezam as dimensões humanas em construção desde o nascimento, é basicamente avaliar se a resposta é certa ou errada, ou se o comportamento do bebê ou da criança corresponde às normas e as expectativas pré-determinadas. Tais modelos de avaliação, revestidos pela ótica falsamente objetiva e padronizada, apregoam a possibilidade e a crença de poder apreender a realidade com precisão. Crença esta, que só se sustenta na perspectiva da avaliação tradicional, balizada por duvidosos diagnósticos, descontextualizados e antidemocráticos, capazes de definir currículos homogeneizantes e práticas sem significado, moldando e reforçando comportamentos, tendo em vista sua adequação ao produto final esperado. Essa concepção etapista da educação infantil não cabe mais em lugar algum.

É nessa perspectiva que se instala nossa indignação. Afinal, não podemos retroceder e desconsiderar os avanços significativos que a educação da pequena infância vem construindo nas últimas décadas, com a inestimável e generosa participação das crianças, em relação à avaliação e aos processos de documentação pedagógica. Esses avanços já fundamentam inclusive as bases legais que sustentam a primeira etapa da educação básica, a Educação Infantil do país, como já sinalizado. Avanços que anunciam a possibilidade de pensar em propostas avaliativas que considerem as crianças reais, suas vozes, experiências, culturas e saberes, e ainda impulsionem a construção de uma educação da infância de qualidade e digna de todos os bebês e crianças deste país, cuja riqueza, inteligência, curiosidade e inventividade, não cabem em testes, questionários ou provas. Tais instrumentos que querem implantar são pequenos, são indignos da grandeza de nossas crianças.

Não estaremos jamais ao lado dos que querem aferir os conhecimentos dos bebês e das crianças pequenas com provas e teste e estaremos sempre em defesa da Pedagogia da Infância que aprende a cada dia os alcances da capacidade inventiva e transgressora das crianças pequenas. Não admitimos que uma avaliação que não serve para as crianças do ensino fundamental, por inúmeros motivos, dos quais destacamos hierarquizar escolas e restringir currículos à preparação para provas, seja estendida à Educação Infantil.

MOÇÃO DE REPÚDIO À PROPOSTA DA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS DO GOVERNO FEDERAL DE APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO ASQ PARA AVALIAÇÃO DE CRIANÇAS NO ÂMBITO DAS CRECHES

VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO 

BRASÍLIA, 12 – 15 DE NOVEMBRO/2012 



Considerando que a educação infantil vem se consolidando no Brasil e que, apesar dos novos marcos legais e de avanços já visíveis, ainda são necessários grandes esforços para melhoria das condições estruturais e do trabalho desenvolvido em creches e pré-escolas;

Considerando que o Ministério da Educação vem implantando, num processo de diálogo com pesquisadores e movimentos sociais da área, ações que estimulam e orientam a melhoria da qualidade do trabalho docente, incluindo o foco nas várias dimensões que compõem a educação das crianças de 0 a 3 anos de idade;

Considerando que os estudos de Psicologia do Desenvolvimento sugerem que as avaliações sejam contextuais e acompanhadas por profissionais qualificados, a fim de evitar que os instrumentos e procedimentos de avaliação produzam processos de classificação e exclusão;

Considerando que o desenvolvimento infantil tem como característica a variabilidade especialmente acentuada para as crianças abaixo de 3 anos e que procedimentos de avaliação para essa fase, quando aplicados em larga escala, a desconsideram;

Considerando que a proposta, veiculada pela imprensa e mídia eletrônica, da utilização do instrumento Age & Stages Questionnaires (ASQ-3), elaborado em contexto alheio ao brasileiro, fragiliza as discussões sobre currículo e avaliações contextuais em curso e não se compatibiliza com os marcos legais já pactuados.

Os psicólogos e demais profissionais do campo da infância, reunidos no VIII Congresso Brasileiro de Psicologia do Desenvolvimento, ocorrido de 12 a 15 de novembro em Brasília, manifestam seu repúdio à proposta de avaliação de crianças de 0 a 3 anos de idade no âmbito das creches, apresentada pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE).

Manifestam, ainda, o apoio à iniciativa do Ministério da Educação de criação da Comissão Nacional de Avaliação com representação das entidades e pesquisadores que historicamente vem contribuindo para os avanços na educação infantil.


sexta-feira, 11 de novembro de 2011

15a Mostra Internacional do Filme Etnográfico

Muito interessante.
Acessem em:
por Kate Benedict

IX Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação


Lisboa entre 12 e 15 de julho de 2012
O IX Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação é promovido pela Secção de História da Educação (Portugal) e pelo GT de História da Educação da AMPEd (Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação) e pela Sociedade Brasileira de História da Educação (Brasil). Este nono congresso decorrerá na Universidade de Lisboa, nos dias 12 a 15 de julho de 2012 e tem como tema central: Rituais, Espaços e Patrimónios Escolares.

Destinatários
Investigadores, professores, alunos de pós-graduação e outros profissionais que se dedicam ao estudo de temáticas relacionadas com a história da educação, em Portugal e no Brasil.

Eixos temáticos
1. Espaços, tempos, quotidianos, sociabilidades escolares;
2. Instituições escolares: projetos, identidades, organização, atores;
3. Rituais, símbolos, festas escolares;
4. Os professores e a sua formação: da arte de ensinar às ciências da educação;
5. Políticas educacionais, discursos pedagógicos, autobiografias;
6. Leitura e escrita: rituais, materialidades;
7. Património e museologia educativa: mobiliário, equipamento, materiais didáticos, iconografia;
8. Testemunhos orais e memórias da educação;
9. A historiografia da educação: contributos teóricos, abordagens metodológicas, fontes;
10. Internacionalização, circulação e comparação: sistemas, currículos, pedagogias.

Modalidades de apresentação
À semelhança de edições anteriores, o congresso terá duas modalidades de apresentação: mesas coordenadas e comunicações individuais.

Prazo de submissão de propostas
De 15 de outubro até 15 de dezembro de 2011.

Outras datas importantes
Avaliação das propostas || Até 28 de fevereiro de 2012
Divulgação dos resultados || Até 15 de março de 2012
Recepção dos trabalhos completos e inscrição final || Até 15 de maio de 2012
IX Congresso Luso-Brasileiro || 12 a 15 de julho de 2011
http:// colubhe2012.ie.ul.pt

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Especialização Educação Especial e Inclusiva

Olá a Todos e a Todas,
as inscrições para o curso de especialização Educação Especial e Inclusiva oferecido pela Faculdade de Educação da UFF encerra suas inscrições no dia 18 de novembro.
Ele é gratuito. Divulgue entre seus alunos e amigos graduados.
O Edital está disponível no site

http://www.uff.br/facedu/images/stories/PosLatoSensu/EEI_edital3_2011.pdf

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Cadernos Creche UFF

Já está disponível o livro "Cadernos Creche UFF: textos de formação e prática". A obre reúne propostas desenvolvidas pela equipe da Creche da Universidade Federal Fluminense.
Sumário
Prefácio, Vera M. R. de Vasconcellos;
Introdução, Equipe Creche UFF;
Uma caracterização da creche UFF, Bernadete Mourão;
A brincadeira como eixo do trabalho pedagógico, Angela Meyer Borba;
Rotina, Bernadete Mourão;
Normas e combinados, Maria Vittoria de Carvalho Pardal;
O arranjo espacial na Creche UFF: Novos cantinhos, antigos aconchegos, Maria Vittoria de Carvalho Pardal e Taísa Vliese de Lemos;
"Projetos" ou Trabalho por Projetos ou Pedagogia de Projetos, Dominique Colinvaux; Registro, Mônica Bezerra de Menezes Picanço;
Relação creche - família, Deise Gonçalves Nunes.

A publicação é da Editora da Universidade Federal Fluminense
Contatos e pedidos:
Rua Miguel de Frias, 9 Anexo/Sobreloja | Icaraí | Niterói–RJ
(21) 2629-5287 Fax: (21) 2629-5288
Atendimento ao público: segunda a sexta, das 9h às 18h

XVI ENDIPE 2012

DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO
COMPROMISSO COM A ESCOLA PÚBLICA, LAICA, GRATUITA E DE QUALIDADE
23 a 26 de julho de 2012- CAMPINAS
São Paulo - Brasil
A escola, como instituição social, cumpre uma função que lhe é específica, qual
seja, a de assegurar a formação educativa escolar para todas as crianças, jovens e
adultos do país. Sua trajetória mostra conquistas, como a ampliação do atendimento a
quase todas as crianças em idade escolar, ao mesmo tempo em que evidencia
enormes problemas, como a sonegação do ensino público, com qualidade, para boa
parte da população que nela está inserida.
As políticas educacionais implementadas nos últimos vinte anos acabaram por
impor às escolas um excessivo controle, que tem dificultado sua organização a partir
de projetos político-pedagógicos próprios e emanados do trabalho coletivo de sua
comunidade. Em decorrência, estão perdendo a possibilidade de se recriar frente às
novas demandas sociais, padecendo com a imposição curricular praticada em várias
redes de ensino, com as múltiplas avaliações externas (que privilegiam resultados em
detrimento de processos educacionais), com a precarização e intensificação do
trabalho dos professores, entre outros aspectos. Toda essa situação caminha no
sentido do esmagamento de possíveis projetos institucionais e pedagógicos com
identidade própria, causando o empobrecimento das práticas docentes e a
deterioração da qualidade da formação disponibilizada aos alunos.
A escola pública pede socorro!
Nós educadores que ainda acreditamos numa sociedade que se torne justa e
solidária pela socialização e partilha de saberes, de conhecimentos e de
valores, estamos convocados a responder a esse grito de alerta. Nunca é demais
perguntar: que sociedade queremos para os brasileiros das gerações futuras? Sem
medo de pieguice, podemos afirmar que essa sociedade está sendo tecida nos
espaços/tempos da escola pública!
É por isso que o momento atual requer o compromisso de todos os setores da
sociedade, principalmente o dos educadores, em favor da escola pública, criando
possibilidades para o enfrentamento de seus problemas, de modo a fazer cumprir sua
função social de assegurar aprendizagens enriquecedoras a todos os alunos,
ampliando a perspectiva de direitos, garantida no plano legal.
O XVI ENDIPE coloca em destaque essa problemática e convoca os educadores
para refletirem, a partir dos retratos da nossa escola, sobre o que nos cabe como
docentes, bem como o que se impõe à Didática e às Práticas de Ensino das diferentes
áreas do conhecimento e o que pode se renovar por meio de nossas ações.
Desde sua criação, no início dos anos 1980, os ENDIPEs constituem espaço
privilegiado para a apresentação e o debate de pesquisas, estudos e experiências que
buscam responder questões emergentes da educação brasileira. Tendo por tema geral:
DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO: COMPROMISSO COM A ESCOLA PÚBLICA, LAICA,
GRATUITA E DE QUALIDADE – o XVI ENDIPE se propõe a ser um espaço de articulação
de trabalhos que, ao considerarem o ensino como prática social e com base nos
campos teórico e disciplinar da Didática e das Práticas de Ensino, indiquem caminhos e
perspectivas teóricas, metodológicas e políticas para a superação dos entraves que
geram cada vez mais uma desigualdade social, a partir da sonegação do ensino de
qualidade, como direito de todos que passaram a ter acesso à escolaridade.
Assim, o OBJETIVO GERAL do XVI ENDIPE é o de socializar e debater pesquisas,
estudos e propostas sobre a Didática e as Práticas de Ensino como áreas de
conhecimentos específicos, áreas disciplinares e áreas de práticas pedagógicas,
destacando seu compromisso público e político com resultados do ensino e da
aprendizagem de qualidade nos diferentes níveis e modalidades, no contexto da
definição e das implicações do Plano Nacional de Educação (2012-2022).

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Liam

Mais um filme que vale conferir:


Em plenos anos 30 vive na cidade de Liverpool o garoto Liam (Anthony Borrows), que tem apenas 7 anos de idade e está se preparando para sua primeira comunhão. Em meio a isto, Liam busca compreender o complexo mundo que o cerca, que está prestes a ser mudado por completo devido a um cataclismo econômico, político e social jamais visto.
por Leomar dos Santos Vazzoler

sábado, 22 de outubro de 2011

Pequenas Flores Vermelhas

Para quem não viu, vale conferir o filme:



Pequim, 1949. Com apenas quatro anos, o pequeno Qiang é matriculado num colégio interno. Mas Qiang é uma criança rebelde e não consegue seguir as regras. Sua desobediência impede que ele ganhe as desejadas flores vermelhas, dadas apenas aos alunos mais bem-comportados, e acaba atraindo a antipatia da professora Sra. Li. Só que ele também consegue que outras crianças se juntem à sua rebelião particular ao convencê-las de que a professora é, na verdade, um monstro que come crianças.
Vejam o trailer:
por Leomar dos Santos Vazzoler

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Moção de repúdio



PROPONENTE: GT 07 da ANPED

O GT 07 - Educação da criança de 0 a 6 anos manifesta seu REPÚDIO à adoção de políticas públicas em âmbito nacional, estadual e municipal de avaliação em larga escala do desempenho da criança de 0 até 6 anos de idade, por meio de questionários, testes, provas e quaisquer outros instrumentos, uma vez que tais procedimentos desconsideram a concepção de Educação Infantil e de avaliação presente na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei n. 9394/96), nas Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil (Resolução CNE/CEB nº 05 de dezembro de 2009) e nos Indicadores da Qualidade na Educação Infantil (2009).

O Grupo de Pesquisa e Estudos em Geografia da Infância apoia esse moção.




segunda-feira, 17 de outubro de 2011

CRIANÇA, A ALMA DO NEGÓCIO. Um documentário sobre publicidade, consumo e infância.


Vídeo sobre infância e consumo. Este documentário está divido em 6 partes, esta é a 1ª. Assista todas elas.
Produtora: Maria Farinha Produções

Direção: Estela Renner
Produção Executiva: Marcos Nisti

Sinopse: "Por que meu filho sempre me pede um brinquedo novo? Por que minha filha quer mais uma boneca se ela já tem uma caixa cheia de bonecas? Por que meu filho acha que precisa de mais um tênis? Por que eu comprei maquiagem para minha filha se ela só tem cinco anos? Por que meu filho sofre tanto se ele não tem o último modelo de um celular? Por que eu não consigo dizer não? Ele pede, eu compro e mesmo assim meu filho sempre quer mais. De onde vem este desejo constante de consumo?" Este documentário reflete sobre estas questões e mostra como no Brasil a criança se tornou a alma do negócio para a publicidade. A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto, então, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas. O resultado disso é devastador: crianças que, aos cinco anos, já vão à escola totalmente maquiadas e deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos; que sabem as marcas de todos os celulares mas não sabem o que é uma minhoca; que reconhecem as marcas de todos os salgadinhos mas não sabem os nomes de frutas e legumes. Num jogo desigual e desumano, os anunciantes ficam com o lucro enquanto as crianças arcam com o prejuízo de sua infância encurtada. Contundente, ousado e real, este documentário escancara a perplexidade deste cenário, convidando você a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro da infância.

Instituto Alana: http://www.alana.org.br/
Este documentário está dividido em 6 partes no YouTube:
PARTE 1:
http://br.youtube.com/watch?v=dX-ND0G8PRU
PARTE 2
http://br.youtube.com/watch?v=UkcVM0Vcwd0
PARTE 3
http://br.youtube.com/watch?v=eq0gqEeaNL8
PARTE 4
http://br.youtube.com/watch?v=2d0DWuZsAfM
PARTE 5
http://br.youtube.com/watch?v=88v1i9BXTS8
CRÉDITOS
http://br.youtube.com/watch?v=Oqk7uUnEurY

Postado por: Ana Lúcia Adriana Costa e Lopes - Pesquisadora do GRUPEGI

sábado, 15 de outubro de 2011

O Grande Urso

Para quem não assistiu, vale conferir o filme dinarmaquês: o grande urso.
Confiram o trailer:

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Exposição da Creche UFF

Caros amigas e amigos, vejam abaixo as fotos das exposição da Creche UFF que ocorre em conjunto com as atividades do Congresso Brinquedos e Infâncias- Ontem e Hoje. O trabalho completo pode ser conferido no saguão da Biblioteca Central do Campus do Gragoatá.






                                               
















































Fotos; Luiz Miguel