domingo, 8 de maio de 2011

Compartilhando Nota de Campo



Eis uma nota de campo enviada para ser compartilhada com todos.!
Nota de Campo
Local: CAIC de Linhares 
Autor: Efigenia Viana do Carmo

Não poderia deixar de relatar aqui o episódio ocorrido na manhã do dia 03/05/2011...
Estávamos eu e a professora de Ed. Física organizando as três turmas do 1º ano no refeitório para iniciarmos o recreio no campo... As crianças nos acompanharam naquele movimento de praxe: Empurra na fila, tropeça no colega, bebe o resto do suco, cata merenda da caixa... Excepcionalmente nesse dia uma aluna chorava com dor de garganta, o que me fez liberar os alunos para brincarem próximo ao parquinho enquanto a atendia..
Depois de encaminhar a aluna à secretaria notamos algo diferente no recreio, ao invés da corrida de sempre, os alunos se aglomeraram em torno de algo que, de onde nós estávamos, não dava para saber o que era.. 

Pensei: “Estão quietos demais..” 

Fui até eles. E estavam ali 52 crianças observando um monte de penas e partes de uma pombinha... Tirá-los de perto foi difícil, muita curiosidade.. Eu juntava dez de um lado, corria os outros 42 do outro e voltavam a "cena do crime..." Como não havia médico legista ou algum perito no local, chamamos 1 funcionária para recolher os restos mortais da pomba... Enquanto a professora de Ed. Física foi buscar uma funcionária, fui interpelada pelas 52 crianças a respeito do ocorrido.. Estavam consternados.. E todos queriam saber como a pomba morreu, onde estava o resto da pomba, cadê a cabeça, o que é gavião, se gavião come criança, que cor é, quantas pombas come por dia... Foram muitas perguntas, se eu estivesse no show do milhão teria sido arrasada, porque não tem neurônio matinal que agüente a argüição ininterrupta desses meninos..
 
E eu pensando: “Cadê a professora? Cadê a funcionária, eu não sei quantas pombas o gavião come por dia... Socorro!!!!!”

Respondida 90% das perguntas (os outros 10% eu pulei porque não sabia na hora, fiquei de pesquisar e responder depois) e retirados os restos mortais da pomba, feita toda a higienização do local,  nós liberamos os alunos para o recreio. Num primeiro momento todos ficaram procurando as outras partes da pomba... O que foi estranho... Não encontrando, se dividiram em brincadeiras variadas... Mas uma delas nos chamou a atenção:

Um grupo de crianças gritava: “Nós somos as pombinhas” e um dos alunos esticando a blusa como se fosse asas gritava: “Eu sou o gavião...” E saiam correndo gritando: “Eu sou a pombinha, o gavião quer me pegar..” E assim passaram todo o recreio brincando de gavião e pombinha... Quem inventou essa brincadeira? Sinceramente não sei. Mas que deve ter sido assim que surgiram brincadeiras como Corre cutia, Cobra cega, gato e rato... Há isso não tenho dúvidas! Ri muito! Não vou esquecer nunca!

VOCÊS SÓ ME DÃO ALEGRIA!!!!

4 comentários:

  1. Fico feliz pelo relato ter merecido esse espaço, coisas desse tipo me enchem de entusiasmo porque me apaixono cada vez mais pela criança e seu interesse pelo mundo que a cerca. Estamos aproveitando o fato e trabalhando não só a cadeia alimentar de uma forma lúdica, mas todas as dúvidas que surgiram diante desse episódio!
    Agradeço ao professor Jader pela oportunidade de divulgar essa experiência e torno público meu respeito e admiração pelo seu trabalho! Aproveito para parabenizá-lo pelo Currículo da Educação Infantil da rede municipal de Juiz de Fora, sua construção se deve em grande parte ao seu empenho e conhecimento! Parabéns!
    Abraços,
    Efigênia

    ResponderExcluir
  2. Gostaria de parabenizar Efigênia pelo relato e por compartilhar a experiência e ao Jader por tornar isso público. O mundo precisa de mais coisas desse gênero... simplicidade, curiosidade, inocência!!!

    ResponderExcluir
  3. Brilhante registro! Ótima crônica! Temos que registrar acontecimentos assim. Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Muito boa essa Efigênia!
    Uma aula e tanto!!! (Para os alunos e para nós professores)
    Abraço apertado!!!!
    Jeanne.

    ResponderExcluir