terça-feira, 25 de julho de 2017

CHAMADA PARA DOSSIÊ DA REVISTA PEDAGÓGICA DA UNOCHAPECÓ

CHAMADA PARA DOSSIÊ DA REVISTA PEDAGÓGICA DA UNOCHAPECÓ
TEMA: As consequências do “Golpe de Estado” para as práticas e políticas educacionais brasileiras.[1]
PRAZO PARA SUBISSÃO DOS ARTIGOS: 30/09/2017
1.      JUSTIFICATIVA
A editoria da Revista Pedagógica tem se manifestado, em suas últimas edições, contra o Golpe de Estado, que culminou com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, dedicando páginas e mais páginas em seus editoriais para esse processo de “assalto à democracia”. Neste sentido, vem denunciando o ódio à democracia, cujos efeitos bombásticos podem ser traduzidos no ódio à cidadania, ódio aos trabalhadores, ódio às minorias. O golpe, portanto, trouxe uma plêiade de barbáries e violências, que se materializaram com o que já evidenciamos em outros editoriais – a cultura do ódio que, por sua vez, caracteriza-se pela intolerância e “ódio à democracia” ou ódio de classe, gênero, raça/etnia, geração e outros, cujo início se dá em junho de 2013 e agudiza em 2016. Todo esse processo imposto pela antipolítica vem acompanhado de “fascismo e exceção”, reproduzindo, cotidianamente, repressões, ilegalidades e provocando, assim, as “águas turvas” das tramas e das inseguranças sociais, políticas e jurídicas desde a derrubada da Presidenta Dilma[2].
O Golpe de Estado, capitaneado pelo Estado de Exceção, tem se revelado como um processo suma gravidade, iniciado nas chamadas “Manifestações de Junho”, tendo seu apogeu em maio-agosto de 2016 e se estendendo até os dias atuais, vem sendo analisado por cientistas políticos e educadores. Esse processo tem repercussões para vida social e política e, particularmente para a Educação. São tempos difíceis, engendrados por todo esse processo destrutivo da Constituição da cidadania pelo governo golpista ultra neoliberal, do Temer e sua aliança de centro-direita, que não se verifica apenas numa esfera da vida social, mas em todas as possíveis dimensões da destruição do Estado brasileiro (política, econômica, cultural, ética e estética). A violência dos estragos desse governo, na vida cotidiana dos brasileiros, pode ser percebida, cotidianamente, através da miríade de ameaças, destruições concretas dos direitos dos trabalhadores (Reforma da Previdência e Trabalhista, PEC 55), as quais prescindem uma enorme demonstração de resistência dos movimentos sociais e sindicais, que já se vislumbra nas ruas e nas redes sociais.
Face ao exposto, a Revista Pedagógica lança esse dossiê, no intuito de contribuir para um debate efetivo sobre o Golpe e suas consequências para a Educação brasileira

2.      OBJETIVOS
Refletir e problematizar sobre as consequências do “Golpe de Estado” para as práticas e políticas educacionais brasileiras e seus desdobramentos no presente e no futuro.

3.      EMENTA
Análise de conjuntura; a Educação e o Assalto à democracia e as consequências para a cidadania e a Educação; a Radiografia do Golpe: a destruição do Estado neoliberal e neoconservador; o ódio de classe; o “apagamento” e destruição da Constituição de 1988 e dos direitos sociais; a “Educação Temer(ária)”; a Escola sem Partido; a MP 746 do Ensino Médio; os sinais de resistência ativa dos estudantes e trabalhadores da educação (professores e servidores técnico-administrativos; as ocupações das escolas pela juventude secundarista; as manifestações de rua; A Greve Geral e a Educação; as diversas manifestações de rua em prol dos direitos dos trabalhadores e da Educação; a terceira versão da BNCC.

4.      NORMAS DE PUBLICAÇÃO: www.unochapeco.edu.br/revistas

Nenhum comentário:

Postar um comentário